Browsing all articles in Blog

FACHA lança 6ª turma de Gestão Esportiva

Posted Posted by Martinho in Blog     Comments No comments
ago
7

IMG-20170727-WA0014

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Faculdade Facha acaba de lançar a 6ª Turma do Curso de Gestão Esportiva.

Martinho será o Professor das disciplinas “Ética e Legislação desportiva” & “Direito Desportivo

Acesse o site da Facha

Veja também as ultimas novidades do blog!

DURAÇÃO DO CURSO (Tempo de Integralização)

Mínimo – 2 anos / Máximo – 4 anos

DISCIPLINAS:

Língua Portuguesa I

Comunicação Oral e Escrita

Comunicação Aplicada ao Esporte

Gestão de Arenas e Instalações Esportivas

Custos e Orçamentos

Ética e Legislação do Esporte

Gestão de Negócios e Empreendedorismo

Direito Desportivo

Inovação e Tecnologia Aplicada ao Esporte

Modelos Organizacionais do Esporte

Fundamentos de Gestão

Economia do Esporte e Lazer

Projetos Incentivados no Esporte

História do Esporte e do Lazer

Políticas Públicas do Esporte e Lazer

Relacionamento, Motivação e Liderança

Jogos de Negócios

Projeto Integrador

Prática Profissional I

Prática Profissional II

Prática Profissional III

Prática Profissional IV

Lazer, Entretenimento e Manifestações Culturais

Esporte e Responsabilidade Social

Estudos Olímpicos

Gestão de Pessoas

Gestão de Eventos

Marketing Esportivo

Plano de Negócios do Esporte e Lazer

Métodos e Técnicas de Pesquisa

Sugestão de pauta: Como conter a violência nos estádios?

Posted Posted by Martinho in Blog     Comments No comments
jul
9

MNM com franceses na FACHA

O STJD está prestes a interditar o estádio de São Januário, em virtude dos incidentes ocorridos na partida entre Vasco e Flamengo realizada no dia 08 de junho.

Mas será que esse tipo de punição será eficaz?

Na opinião do Advogado, Procurador do Município do Rio de Janeiro, membro da Comissão de Direito Desportivo da OAB/ RJ e  autor do livro ” O Direito no Deporto”, Martinho Neves Miranda, a resposta é negativa.

E porque esse tipo de punição da justiça desportiva revela-se ineficaz?

“Porque o problema não é desportivo, mas de segurança pública. Por vários fatores sociológicos, ir ao estadio tornou-se um momento para a prática de delitos coletivos por gangues organizadas”, afirma Martinho.

Um trabalho publicado recentemente pelo especialista, revela algumas medidas que são fundamentais para a contenção da criminalidade nos estádios.

Eis algumas delas:

1 – Identificação biométrica dos torcedores no acesso ao estádio como forma de impedir que torcedores punidos ingressem nas arenas e como mecanismo de reconhecimento de criminosos;
2 – Restrições para reunião das torcidas organizadas(aplicação do pacto de San Jose da Costa Rica, do qual o Brasil é signatário) *;
3- Criação de corredores nas arquibancadas para colocação de agentes de segurança;
4- Colocação de Assentos marcados e adquiridos previamente pela internet;
5- Fixação  de barreiras nos arredores dos estádios para revista e acesso somente de torcedores portadores de ingresso;
6 – Alteração da legislação para tornar os crimes cometidos por torcedores violentos inafiançáveis e sujeitos a processo penal mais célere;
_
Assista à entrevista de Martinho Neves Miranda à Globonews sobre o tema da violência nos estádios.
https://www.youtube.com/edit?o=U&video_id=Sj8etZvAiwA
_
Veja também uma palestra do professor sobre a responsabilidade civil e penal no esporte
https://www.youtube.com/edit?o=U&video_id=LSeCXYQZqwc
* Artigo 15.  Direito de reunião
            É reconhecido o direito de reunião pacífica e sem armas.  O exercício de tal direito só pode estar sujeito às restrições previstas pela lei e que sejam necessárias, numa sociedade democrática, no interesse da segurança nacional, da segurança ou da ordem públicas, ou para proteger a saúde ou a moral públicas ou os direitos e liberdades das demais pessoas.

_

Contato:

Email – contato@martinhonevesmiranda.com.br

El racismo en el deporte

Posted Posted by Martinho in Blog     Comments No comments
jul
1

2017-07-01 14.03.42

 

 

 

 

Conozca las  orígenes del racismo y descubra que, en el deporte, él tiene caracteristicas muy específicas.

El articulo fue  publicado en IUSPORT

Lea otros artículos escritos por Martinho Neves Miranda en español

Jogos de Azar: pelo fim da hipocrisia

Posted Posted by Martinho in Artigos, Blog     Comments No comments
jun
9

gambling-2001129_960_720

 

 

 

 

 

 

Jogos de Azar: pelo fim da hipocrisia

1946, ano em que rodou pela última vez a roleta no cassino do hotel Copacabana Palace no Rio de Janeiro. Neste mesmo ano, o governo proíbe o jogo e o coloca na marginalidade. Prevê que a sua exploração em lugar público sujeita o responsável à pena de prisão e quem aposta está hoje sujeito a uma multa de até 200 mil reais.

Precisamente 70 anos depois da proibição, foi apresentada no Congresso Nacional uma proposta para a revitalização do jogo em nosso país.

Para justificar sua extinção, o governo argumentou à época que o jogo seria contrário aos bons costumes e que atrairia para o seu redor algumas atividades ilícitas.

Se o segundo critério tivesse sido rigorosamente levado ao pé da letra, teria acarretado na extinção de outras atividades de entretenimento que também se fizeram acompanhar de práticas irregulares.

Assim, por exemplo, o esporte, que se vê envolto até hoje em inúmeras práticas de corrupção, lavagem de dinheiro, doping, manipulação de resultados, dentre outros ou o mundo do samba, que notoriamente durante décadas esteve em grande parte ligado ao jogo do bicho.

A posição do país é extremamente dúbia, já que o jogo e a aposta entre duas ou mais pessoas são ajustes considerados lícitos no Brasil desde o Código Civil de 1916. A exploração pública é que é vedada.

Mas a ambiguidade não para por aí.

Com efeito, ao mesmo tempo em que o Estado brasileiro considerou que a atividade é degradante para o ser humano, colocando-a no campo da ilicitude, avocou para si o direito exclusivo de promovê-la em território nacional, através dos inúmeros concursos de prognósticos gerenciados pela Caixa Econômica Federal.

A incongruência é manifesta: há no país uma atividade considerada ilícita, mas que é amplamente explorada pelo governo.

E o desconforto só aumenta quando analisamos a Constituição, já que ela fixou, como regra geral, que a exploração direta da atividade econômica pelo Estado só pode ser exercida apenas de forma coadjuvante à iniciativa privada.

De fato, são princípios constitucionais da atividade econômica os postulados da livre iniciativa e livre concorrência, só sendo permitida a atuação do Poder Público em casos excepcionais, quando necessária aos imperativos da segurança nacional ou a relevante interesse coletivo, o que nem de longe se aproxima da exploração da jogatina em geral.

Além disso, o Estado só pode atuar em regime de monopólio dentro dos casos taxativamente descritos na Constituição, a qual reservou à União a exclusividade de exploração apenas de matrizes energéticas como gás, petróleo, minerais nucleares e etc.

Fortes argumentos contra e a favor da legalização existiram e sempre existirão, mas o principio da igualdade clama para que se adote um destes dois caminhos: se for considerada lícita, que se permita a todos a sua exploração: se for tida como ilícita e nociva aos interesses nacionais, que se extinga tal prática de uma vez por todas, para que ninguém a promova.

Principalmente o Estado.

França-Brasil

Posted Posted by Martinho in Blog     Comments No comments
mai
30

MNM com franceses na FACHA

 

 

 

 

 

llll

 

 

 

 

 

lille 2

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Martinho foi um dos representantes da FACHA na recepção da delegação da Universidade francesa de Lille, que visitou a instituição no mês de maio de 2017.

Na oportunidade, o professor fez uma exposição para os visitantes sobre o curso de Gestão Esportiva da Faculdade brasileira e participou das tratativas para estreitamento da parceria entre as duas instituições na área de gestão esportiva.

A partir de agora, alunos da FACHA poderão fazer intercâmbio na Universidade Francesa em condições especiais e vice-versa.

Outro ponto positivo para os estudantes das referidas entidades educacionais será a troca de experiencia e conhecimento por intermédio de seu corpo de ensino, o que só tende a favorecer o aprendizado tanto dos alunos franceses quanto dos brasileiros.

Saiba tudo sobre o Mestrado em Admistração esportiva da Universitè de Lille

O transexualismo no esporte

Posted Posted by Martinho in Blog     Comments No comments
mai
25

Uma das questões mais tormentosas no mundo esportivo versa sobre o  atleta que tenha mudado de sexo.

Com efeito, trata-se de um caro raro e extremamente complexo em direito, pois o tema exige que se faça um juízo de ponderação dentro de um mesmo princípio: o princípio da igualdade, em que precisa compatibilizar a igualdade jurídica(pela não discriminação) com a igualdade desportiva ( evitar que atletas compitam em condições desiguais).

Sob o prisma do direito comum, o direito do transexual de adequar seu corpo e sua documentação ao novo sexo estriba-se no art. 13 do código civil e nos arts. 3º, incisos I,III e IV; 5º,X;196 e 205, todos da Constituição Federal; arts, 4º e 5º.

 Poderá então o atleta competir na categoria do gênero que escolheu?

Sim, desde 2004, mediante a satisfação de inúmeros requisitos. No ano anterior, uma comissão médica do Comitê Olímpico Internacional (COI), integrada por profissionais e especialistas da França, Suécia e dos Estados Unidos, reunida em Estocolmo, Suécia, chegou a um consenso que estabeleceu as bases para que atletas que tenham mudado de sexo pudessem competir livremente pelo sexo escolhido.

A Declaração do Estocolmo, de 28 de outubro de 2003, apoiada pelo COI, estabeleceu um “código”, com requisitos para que atletas possam competir após o processo de transexualidade. As exigências do COI para esses casos são:

– Os atletas transgêneros devem ter se submetido a uma cirurgia completa de adequação ao sexo escolhido. Isto implica remoção de suas gônadas e à redesignação externa.

– Os atletas devem ser reconhecidos legalmente e psicologicamente ao sexo readequado.

– realização de terapia hormonal por um período de dois anos posteriores à retirada das gônadas para neutralizar qualquer vantagem em relação aos outros atletas. Segundo especialistas, a terapia hormonal visa baixar os níveis de testosterona e a massa muscular das transexuais femininas para serem consideradas atletas mulheres.

Em novembro de 2015, após encontro promovido por sua Comissão Médica e Científica, o Comitê Olímpico Internacional (COI) produziu um documento com novas recomendações para a participação de transgêneros em competições internacionais, sendo que a principal mudança com relação à “Declaração de Estocolmo” é que as cirúrgicas de mudança de sexo (cirurgia de transgenitalização) não deve ser uma exigência, como uma pré-condição para competir, “por não ser necessária para garantir uma competição justa, podendo ser incompatível com as leis e os direitos humanos”.

Denominado de “Consensus Meeting on Sex Reassignment and Hyperandrogenism” – Reunião de consenso sobre mudanças de sexo e hiperandrogenismo – ele afirma que no caso de atletas cuja transição seja do sexo feminino para o masculino a recomendação é a de que não haja nenhuma restrição.

Já para os atletas cuja a transição é do sexo masculino para o feminino, há exigências em relação aos níveis de testosterona nos doze meses anteriores à primeira competição e durante o período em que estiver autorizado para competir: “para evitar discriminação, se o atleta não estiver elegível para competições femininas, deve ser elegível para competições masculinas”.

Para garantir uma competição justa, o COI estabeleceu, no caso de mudança de sexo masculino a feminino, que “a atleta tem de ter declarada a identidade de gênero feminina e manter nível de testosterona, hormônio masculino, dentro do nível permitido para disputas: abaixo de 10 nmol/L durante os últimos 12 meses antes de sua primeira competição e manter este nível durante o período de competição”.

Em síntese, pelas novas regras, podem competir atletas que estiverem em processo de mudança de sexo ou que não desejem uma completa remoção de suas gônadas ou à redesignação externa, como determinava as diretrizes de 2003. Com a nova regra é suficiente com manter com o nível de testosterona exigido pelo COI. A diretriz estipula 12 meses em caso de descumprimento dessas diretrizes.

HIPERANDROGENISMO EM ATLETAS FEMENINAS

Outra importante são os casos hiperandrogenismo (distúrbio endócrino que afeta a mulheres e homens caracterizados pelo excesso de produção de andrógenos como a testosterona) em atletas mulheres.

Para o COI, as atletas que superarem os níveis de testosterona estabelecidos “deve ser elegível para competir na competição masculina” para dessa forma “evitar discriminação”.

As diretrizes do COI de 2003 e sua atualização em 2016 procuram acompanhar as mudanças sociais e científicas referentes às questões de gênero.

Em 1968, o COI estabeleceu as “Provas de Verificação de Sexo”; primeiro mediante uma avaliação visual e mais tarde através de um controle cromossomático, alertado pela aparência das atletas do Leste Europeu que pareciam homens pela grande quantidade de anabólicos que consumiam.

Com este teste, mediante uma raspagem bucal, o COI procurava as atletas com cromossomas XY e os homens XX. No entanto, quem mais sofreram com “As provas de Verificação de Sexo” foram as atletas intersexuais(*), antes chamadas de hermafroditas, pois ficavam expostas  a demonstrar que eram mulheres permanentemente.

Contudo, o avanço da ciência determinou que nem tudo pode ser resumido a Y ou X para determinar quem é homem ou mulher. As “Provas de Verificação de Sexo” acabaram em 1998, mas continuaram a ser aplicadas  “excepcionalmente” a atletas intersexuais até recentemente.

Um exemplo importante foi o caso da atleta sul-africana Caster Semenya, que, após ganhar a final dos 800 metros no Campeonato do Mundo de 2009 em Berlim, teve sua sexualidade questionada. Embora as “Provas de verificação de Sexo” tivessem terminado 11 anos antes, o COI submeteu a atleta sul-africana a esse teste por considera-la “de aspecto demasiado masculino”.  O teste cromossomático demostrou que Semenya é intersexual, com mais características femininas e continua a competir com mulheres até hoje.

(*) qualquer variação de caracteres sexuais incluindo cromossomosgônadas e / ou órgãos genitais que dificultam a identificação de um indivíduo como totalmente feminino ou masculino. Essa variação pode envolver ambiguidade genital, combinações de fatores genéticos e aparência e variações cromossômicas sexuais diferentes de XX para mulher e XY para homem. Pode incluir outras características de dimorfismo sexual como aspecto da face, voz, membros, pelos e formato de partes do corpo.

A promiscuidade entre o Público e o Privado

Posted Posted by Martinho in Blog     Comments No comments
mai
20

hands-1445472__340

 

 

 

 

 

 

 

 

Assista ao comentário de Martinho Miranda:

 

Enquete: Quais seriam as medidas adequadas para acabar com a violência nos estádios?

Posted Posted by Martinho in Blog     Comments No comments
mai
16

Capa livro

capa f livro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Participe da pesquisa dando a sua opinião e concorra a um exemplar de ” O Direito no Desporto” que completa dez anos de seu lançamento no dia 19 de maio de 2017.

Escreva seu comentário, deixando nome, e-mail e cidade.

A metáfora de Sócrates e a democracia brasileira

Posted Posted by Martinho in Blog     Comments No comments
mai
12

Dr. Martinho explica a parábola socrática e a relaciona com a democracia brasileira.

 

A teoria dos jogos e a Lava-Jato

Posted Posted by Martinho in Blog     Comments No comments
mai
12

No programa Haroldo de Andrade do dia 11 de maio, Dr. Martinho Neves Miranda explica a aplicação da teoria dos jogos ao processo da Lava-Jato.